domingo, 22 de janeiro de 2017

APARECIDA: A HISTÓRIA CONTADA ATRAVÉS DO MUSEU DE CERA!

Segunda quinzena de outubro de 1717 (entre os dias 17 e 30 daquele mês). Naquele tempo, trezentos anos atrás, Dom Pedro Miguel de Almeida Portugal e Vasconcelos, o Conde de Assumar, então "Governador da Capitania de São Paulo e Minas do Ouro", passaria pela Vila de Guaratinguetá, em sua trajetória para Vila Rica (atual Ouro Preto). Assim, a Câmara Municipal da vila paulista ordenou a três pescadores, a saber, João Alves, Felipe Pedroso e Domingos Martins Garcia, que recolhessem nas águas do Rio Paraíba do Sul todos os peixe que pescassem, a fim de fornecer um banquete à importante figura. 

A imagem original de Aparecida, exposta atualmente na Basílica Nova.
Ocorre que a pescaria não vinha rendendo bons frutos, mesmo com os pescadores lançando redes desde o porto de José Correa Leite até o porto de Itaguaçu. Foi aí que, em Itaguaçu, o pescador João Alves lançou uma rede e nela veio o corpo de uma imagem.  No mesmo rio, um pouco mais abaixo, lançou novamente a rede e, como resultado, encontrou a cabeça da mesma imagem. Era a imagem de Nossa Senhora da Imaculada Conceição que, depois, foi rebatizada como Nossa Senhora da Conceição Aparecida ou, simplesmente, Nossa Senhora Aparecida. 

Os pescadores e a imagem.Museu de Cera de Aparecida.
Pescador e a rede. .Museu de Cera de Aparecida.
Após o recolhimento da imagem em duas partes (corpo e cabeça, posteriormente juntadas), os peixes vieram em abundância. Era o primeiro sinal dos desígnios divinos. Iniciava-se aí a devoção à Nossa Senhora da Conceição Aparecida. 

Segundo os relatos de padre João de Morais e Aguiar, pároco de Guaratinguetá em 1757, a imagem ficou com Felipe Pedroso, um dos três pescadores e homem que colou com cera de arapuá a cabeça ao corpo. Passou a ser venerada pela família, depois por viajantes, até que se construiu uma capelinha no local, pelas mãos do filho de Felipe Pedroso, Atanásio. 

Fato posterior, o milagre das velas indicava a presença de Deus para as pessoas. Conta-se que, em uma ocasião, em meio a orações, duas velas de cera da terra que iluminavam Nossa Senhora apagaram-se. Silvana da Rocha correu para acendê-las, mas eis que as velas voltaram a iluminar sem qualquer atitude de Silvana. Era mais um prodígio de Nossa Senhora.  Outros milagres ainda viriam a acontecer, como o da menina cega (que conseguiu ver a Basílica Velha), o do escravo acorrentado (Zacarias teve as suas correntes rompidas depois de muito orar) e o do cavaleiro ateu (homem sem fé que queria invadir a Basílica Velha, mas que viu as patas de seu cavalo ficarem presas na escadaria da igreja).

Milagre das velas. .Museu de Cera de Aparecida.
Milagre da menina cega. Ela enxergou a basílica de Aparecida..Museu de Cera de Aparecida.
Milagre do escravo - as correntes desataram. .Museu de Cera de Aparecida.
Milagre do cavaleiro ateu. Pata do cavalo fica presa na escadaria da igreja. .Museu de Cera de Aparecida.
Em 1743, o padre Vilela, percebendo a imensa devoção que se instalava naquela pequena capela, pediu a Dom Frei João da Cruz, bispo da diocese do Rio de Janeiro, autorização para a construção de uma capela maior.  Foi construída no Morro dos Coqueiros, em terreno doado e com dinheiro de esmolas, sendo abençoada em 26 de julho de 1745.  

Padre José Alves Villela, construtor da primeira capela de Aparecida. .Museu de Cera de Aparecida.
A atual "Basílica Velha" ou "Matriz Basílica", que se encontra atualmente no Morro dos Coqueiros não é a mesma capela do Padre Vilela. A sua construção teve início em 1844, sendo concluída em 1888. Em 1893, o templo foi consagrado com o título de "Episcopal Santuário de Nossa Senhora da Conceição Aparecida". Em 1908, o Papa São Pio X concedeu ao templo o título de "Basílica Menor". A imagem encontrada no rio Paraíba do Sul esteve por ali por 237 anos, até que foi levada definitivamente para a "Basílica Nova" no dia 03 de outubro de 1982.

A Basílica Nova de Aparecida (elevada à Santuário em 1984) e a passarela que liga as Basílicas Nova e Velha (construída nos anos setenta).

A Basílica Velha, ou "Matriz Basílica".
Um fato histórico, acontecido em relação à imagem original, é digno de nota. Em 16 de maio de 1978, um jovem de 19 anos, vindo de São José dos Campos, entrou à noite na igreja e retirou a imagem de seu local de guarda, quebrando-a em muitos pedaços. Tal fato gerou grande comoção nacional, cabendo à restauradora Maria Helena Charduni a tarefa de trazer novamente a imagem da forma original. Com grande destreza, a restauradora conseguiu seu objetivo no mesmo ano.

Curiosamente, o manto de Nossa Senhora Aparecida, assim como a coroa, foram doados pela Princesa Isabel, importante figura da era imperial brasileira (responsável pela abolição da escravatura em 1888), em agradecimento a uma promessa feita pela monarca, na qual pediu para que conseguisse engravidar - Isabel teve três filhos.

Princesa Isabel, que deu a coroa à Aparecida e Conde D´eu. .Museu de Cera de Aparecida.


O museu de cera de Aparecida traz ainda a história e muitas personalidades ligadas de alguma forma à Aparecida ou à Nossa Senhora da Aparecida. O blog traz um apanhado completo da exposição:

Visita de D. Pedro I. Na foto, Tereza Cristina e D. Pedro II. .Museu de Cera de Aparecida.
Conde D´Eu, esposo da Princesa Isabel. .Museu de Cera de Aparecida.

Dom Júlio Tonti, Papa Pio X e um missionário redentorista. .Museu de Cera de Aparecida.
.Museu de Cera de Aparecida.
Madre Paulina, santa brasileira. .Museu de Cera de Aparecida.

Papa Pio XI. .Museu de Cera de Aparecida.
Getúlio Vargas, presidente do Brasil nas décadas de 30 e 50. .Museu de Cera de Aparecida.
Dom Antônio Alves de Siqueira, arcebispo. Rádio e Televisão Aparecida.
.Museu de Cera de Aparecida.
Castelo Branco e JK, presidentes brasileiros. .Museu de Cera de Aparecida.

Cláudio Pastro, artista plástico e Benedicto Calixtro de Jesus Neto, arquiteto do projeto da Basílica Nova..Museu de Cera de Aparecida.

Papa Paulo VI. .Museu de Cera de Aparecida.

Padre Izidro, que queria clarear a santa; Alfredo Morgado, o primeiro restaurador da imagem. .Museu de Cera de Aparecida.
Maria Helena Chartum, que restaurou a santa original, quebrada na década de 70. .Museu de Cera de Aparecida.

Papa João Paulo II. .Museu de Cera de Aparecida.

Papa Francisco. .Museu de Cera de Aparecida.

Joseph Ratzinger, o Papa Bento XVI. .Museu de Cera de Aparecida.

Cardeal Raimundo Damasceno, ligado à Aparecida. .Museu de Cera de Aparecida.

Padre Pedro Fré, pároco em Aparecida entre 1964 e 1979; e os famosos padres Marcelo Rossi e Léo. .Museu de Cera de Aparecida.

Cardeal e bispos..Museu de Cera de Aparecida.

Padre Victor de Três Pontas. Figura religiosa..Museu de Cera de Aparecida.

Santa Teresa de Calcutá (Madre Teresa). .Museu de Cera de Aparecida.
Monsenhor Alderige. .Museu de Cera de Aparecida.
Frei Damião. .Museu de Cera de Aparecida.
Irmã Dulce. .Museu de Cera de Aparecida.

Ronaldo Fenômeno e o joelho milagroso. .Museu de Cera de Aparecida.

Marcos Pontes, astronauta e devoto de Aparecida. .Museu de Cera de Aparecida.

Tonho Prado, da rede Aparecida. .Museu de Cera de Aparecida.

Apresentador da TV Aparecida, Kléber Oliveira.
.Museu de Cera de Aparecida.
Conde de Assumar. .Museu de Cera de Aparecida.
Frei Galvão. .Museu de Cera de Aparecida.

"Padim Ciço", ou Padre Cícero. .Museu de Cera de Aparecida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário