terça-feira, 6 de maio de 2014

"VACA IS NO PROBLEM"! O LOUCO TRÂNSITO INDIANO!

Beep, beep! A onomatopeia clássica indiana. O primeiro som mais forte que se ouve desde a saída do aeroporto. E bota forte nisso! São milhares de buzinas ao mesmo tempo! O trânsito mais desorganizado e bagunçado do mundo. A primeira pergunta: como achar  espaço para tanta gente e tantos veículos? Muitas motos, muitas bicicletas, muitos "tuk-tuks", muitos "riquixás", muitas pessoas, muitos carros, muitos animais. Tudo "muito". Tudo "over".  Eis o mistério da fé indiana. A fé de que andar nas ruas, dirigir, não vai trazer nenhuma conseqüência. A fé em que os motoristas mais malucos do mundo não farão nada além de buzinar e seguir seu caminho em meio ao caos.  A fé em que você irá se "encaixar", seja em riquixá, em "tuk-tuk", moto ou mesmo em carro comum, em meio ao caos. 

Dizem os indianos que, para ser motorista naquele país, são necessários três “goods”: good horn, good brake e good luck. Em bom português, "boa buzina, bom freio e boa sorte".

Realmente, eles têm razão. Ao menor sinal de uma vaca ou um búfalo atravessando a rua, eis que surge a instituição nacional indiana: a buzina. É buzina pra lá, é buzina pra cá, uma festa completa. Buzina, na Índia, não é considerada ofensiva; é, antes de tudo, uma necessidade. E bota necessidade nisso... Para se ter uma ideia, até os caminhões estimulam a buzina. Em vez de frase de para-choque, há uma indicação ao motorista incauto que vem atrás dizendo "por favor, buzine".

Certa feita, em uma viagem entre Jhansi  e Kajhuraho, ao perceber o medo que eu sentia das vacas na pista, o motorista indiano sentenciou, em um portunhol misturado com inglês: “Vaca is no problem”.  De fato, é quase um mandamento indiano: “Vaca is no problem”. A vaca, calma e sagrada, dizia ele, é muito inteligente e sempre anda em linha reta, nunca atrapalhando os motoristas. E completou: “Touro is burro”, embora a recíproca não fosse verdadeira (“burro” no is “touro”, em um portunhol misturado com inglês, novamente).

A vaca é mesmo um caso incrível – é o único ser vivo que o motorista indiano acredita, uma vez que ela não muda a direção na pista. Todos os outros animais que povoam as estradas, ruas e avenidas daquele país são considerados perigosos- cavalos, búfalos, galinhas, elefantes, camelos e, principalmente, os humanos.

Na faixa de pedestres indiana, a vaca tem a preferência...

Nessa mesma estrada, entre Jhansi e Kajhuraho, tivemos a oportunidade de presenciar a mais engraçada experiência do trânsito indiano: a linha de trem fechada. De um lado, o pessoal que vinha de Kajhuraho para Jhansi; de outro, nós, que queríamos chegar nos famosos templos eróticos hinduístas. Formou-se duas facções de motos, carros, caminhões, tuk-tuks, de um lado e de outro. E na hora que abriu? Muito engraçado. Cada um tentando se encaixar e seguir adiante. Lembram da osmose, aquela liçãozinha de biologia dos tempos de colégio? É exatamente o processo que ocorreu aqui. É mais ou menos um pedestre tentando seguir em frente vindo mil do lado contrário, só que com veículos...

A sorte dos indianos é que andam em velocidade baixa; caso contrário, o índice de acidentes nas grandes cidades seria triplicado. Quando estive por lá, dei muita sopa no trânsito, e não vi nenhum acidente, nem nas grandes cidades, nem nas estradas, o que é um autêntico milagre de Shiva. Mas há estatísticas que indicam que a Índia é a campeã mundial de acidentes em estradas, com cerca de cento e trinta mil mortes por ano. Isso mesmo, cento e trinta mil, uma Araguari inteira mais um Ibiá. Tudo é superlativo na Índia...

Mas, vem a pergunta: qual a maior aventura no trânsito indiano? A resposta é rápida: andar de riquixá. O riquixá é uma bicicleta com uma cabine que dá para no máximo duas pessoas atrás. Ou seja, uma bicicleta com ares de charrete, uma versão do "tuk-tuk" sem motor. Nela, o "bicicleteiro" indiano faz um esforço descomunal não só para guiá-la, mas sobretudo para andar no trânsito. Não existe passeio com ou sem emoção: é sempre muito emocionante. Perto do riquixá, o "tuk-tuk" parece ser o meio de transporte mais seguro do planeta.


Os riquixás em uma nublada, caótica e poluída Délhi (a velha)...

O passeio de riquixá é uma autêntica aventura...

Aliás, o "tuk-tuk" é uma atração à parte. Táxi, na Índia, é "tuk-tuk". E, apesar de ter, tecnicamente, apenas dois lugares atrás, carrega seis, sete, oito e até nove pessoas. Mais um mistério indiano: como transportar tanta gente dentro de um minúsculo meio de transporte? E mais: os indianos costumam usar o "tuk-tuk" como meio de viagens de muitos quilômetros. O que, necessariamente, inclui bagagem. Impressionante. Mais uma vez, a teoria do encaixe indiano - eles se encaixam de tal maneira dentro do minúsculo veículo que a viagem acaba dando certo.

Tudo é superlativo na Índia. Mais ainda, o trânsito. Que Deus os ajude! Ou melhor, que Shiva, Vishnu e, sobretudo, Brahma, os ajude!

Nenhum comentário:

Postar um comentário