sábado, 31 de dezembro de 2011

SÉRIE PAÍSES DO MUNDO 1- SAMOA

Vamos começar a série "Países do Mundo" pela Polinésia.
É lá que se localiza Samoa, arquipélago formado pelas ilhas de Savai e Upolu.
Samoa, antes chamada de Samoa Ocidental, tornou-se independente da Nova Zelândia em 1962. É vizinha de Samoa Americana (território dos EUA), Tonga, Tuvalu, Tokelau (território neozelandês) e Wallis e Fortuna.
Sua pequena população, cerca de 176 mil habitantes,  sobrevive da agricultura de subsistência e da exportação de madeiras. Ainda há o turismo, que movimenta uma parcela laboral significativa da população (quinze por cento).
Para quem resolver se aventurar por lá, importante saber que o clima é úmido de dezembro a abril, sendo seco e frio nos demais meses.
A população desse pequeno país é predominantemente protestante, existindo ainda boa quantidade de católicos e mórmons.
O país se notabiliza também por ter uma forte seleção de rugby que, inclusive nesse ano de 2011 derrotou na primeira fase do mundial a vice-campeã França.
Por fim, insta destacar que Samoa é hoje uma república parlamentarista, depois de ter vivido 45 anos de regime monárquico.

Samoa suprime 30 de dezembro para mudar fuso

Samoa suprime 30 de dezembro para mudar fuso

Objetivo é mudar de fuso e aproximar país dos principais sócios comerciais.
Projeto permitirá a ilha deixar de ser dos últimos lugares onde sol se põe.

Da France Presse
 
A ilha de Samoa decidiu suprimir o dia 30 de dezembro do calendário deste ano e passar diretamente de 29 a 31 deste mês, com o objetivo de mudar de fuso horário e aproximar o país dos principais sócios comerciais na Ásia e Pacífico.
O projeto permitirá a Samoa deixar de ser um dos últimos lugares do mundo onde o sol se põe para e passar a integrar o grupo dos primeiros países a amanhecer.
"Para fazer negócios com a Nova Zelândia e Austrália, estamos perdendo dois dias úteis por semana", afirmou o primeiro-ministro Tuilaepa Sailele Malielegaoi.
"Quando é sexta-feira aqui, já é sábado na Nova Zelândia. E quando nós estamos na igreja no domingo, já estão fazendo negócios em Sydney e Brisbane, na Austrália', completou.
O primeiro-ministro fará um discurso na noite desta quinta-feira, 29/12, e depois disso a ilha passará diretamente a 31 de dezembro.
Samoa, que atualmente está 21 horas atrás da Austrália e 23 da Nova Zelândia, passará a ter um diferencial de apenas uma e três horas, respectivamente.
Os principais sócios comerciais de Samoa são Austrália (81,7%) e Nova Zelândia (10,1%).

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

LAS VEGAS, EUA - AS DICAS

(Atualizado em 01/05/2014)

Vamos a alguma dicas de Las Vegas:

Atrações: O site http://www.vegas.com/  indica as melhores opções de entretenimento em Vegas.

São oito os shows do Cirque D´Soleil atualmente em cartaz: "O", no The Bellagio; "Chriss Angel Believe", no Luxor; "Ka", no MGM Grand "Mystere", no Treasure Island; "Zarkana", no Aria; "Zumanity" (o espetáculo erótico do cirque), no  New York  New York;  o "Love" (The Beatles) no Mirage; e o  "Michael Jackson The Immortal World Tour", no Mandalay Bay. Todos os tickets podem ser comprados via internet (http://www.ticketmaster.com/) e retirados no "box office" respectivo em cada hotel.

Eu pessoalmente assisti ao show aquático "O" no Bellagio e achei espetacular. Existe um post específico no "Escalada Planetária" sobre esse espetáculo. 

Outro show no estilo "Cirque" bastante recomendado é o "Le Rêve", no Wynn.

No Monte Carlo Hotel e Casino, o show é do "Blue Man Group" que costuma agradar muitas pessoas, mas desagrada outras tantas também, pelo conteúdo escatólogico de algumas passagens. Eu assisti e gostei, mas tem uma parte que eles adentram na garganta do indivíduo - da vontade de dizer "argh"...

Ainda no hotel veneziano, vale ainda uma visita ao "Madame Tussauds", o museu de cera mais famoso do mundo. Ali encontram-se réplicas perfeitas de Michael Jackson, Madonna, Halle Berry, Obama, dos astronautas que primeiro pisaram no solo lunar, de Muhammad Ali, dentre outros.

Las Vegas tem também os seus famosos shows gratuitos: o "Volcano" (simulação de uma erupção vulcânica) do Mirage; o "Sirens of Treasure Island(show de piratas), no Hotel Treasure Island, perto do Mirage; as fontes dançantes do Bellagio;  e as estátuas vivas, invocando o império romano, do Caesars Palace.




Free Stock Photo of Bellagion Fountains 4
As fontes dançantes do Bellagio encantam os turistas.

Free Stock Photo of Volcano
O Volcano, do Mirage, é um show bacana.


Para quem gosta de mágica, o famoso David Copperfield apresenta-se no Hollywood Theatre do MGM Grand.

No Caesars Palace, a bola da vez é Shania Twain, que faz por lá um espetáculo fixo, porém em temporada limitada.  No palco do Coliseu do Caesars já passaram nomes como Cher, Celine Dion, Rod Stewart e Elton John, os três últimos em 2014, a primeira em anos anteriores.

Além de shows, merecem menção as casas noturnas de Vegas (Pure, The Bank, XS Encore, dentre outras), simplesmente fantásticas, algumas impressionantes. Importante colocar nome na lista.

Vale ainda visitar a "Fremont Street Experience", que consiste em 05 quarteirões fechados, com muitas telas e luzes, compondo um cenário bem bacana. É a antiga região de Vegas, hoje substituída pela Strip, mas que ainda merece uma conferida.


Free Stock Photo of Freemont Street
A Freemont Street Experience, na velha Las Vegas, vale a visita.

Por fim, os buffets dos hotéis-cassinos oferecem grande variedade de pratos e merece uma conferida. Gostei bastante da diversidade oferecida no "Planet Hollywood".

Dica interessante: existe também a possibilidade de compra de um vale que dura 24 horas - "24 Hour Buffet Pass" , podendo ser utilizados os buffets dos hotéis-cassino Caesars, Flamingo, Planet Hollywood, Harrah´s, Paris, Imperial Palace e Rio (exclui-se nesse o Village Seafood Buffet) no café da manhã, almoço e jantar.

Hotéis: A melhor localização em Vegas, na minha opinião, é no centro da Strip, onde se encontram os hotéis "The Bellagio", "Caesars Palace", "Paris" e "Planet Hollywood", só para citar os mais famosos. Os hotéis "Luxor" e "Mandalay Bay", mais próximos ao aeroporto da cidade, são opções mais complicadas, já que nos seus arredores não há muito o que ver e fazer - a calçada deles é totalmente impessoal. O "MGM Grand" - um dos maiores hotéis do mundo - tem um imenso cassino e é razoavelmente bem localizado, quase em frente ao "New York New York" e perto da loja dos MMs (imperdível). "Aria" e "Cosmopolitan", modernos sem serem temáticos, são hotéis de bom nível bem localizados, próximos ao "The Bellagio" e "Paris". "Circus Circus", hotel mais desgastado e antiquado, e "Stratosphere", hotel mediano, mas que possui a torre com brinquedo mais alta de Las Vegas, demandam mais meio de transporte e caminhadas, um pouco mais ao norte da Strip (considerando-se o "Luxor", por exemplo, como sul da strip).




Free Stock Photo of Caesars Palace 2
O "Caesars Palace" tem uma das melhores localizações de Vegas.

Compras: Para compras, o excelente "Las Vegas Premium Outlets" fica dentro do perímetro urbano, facilmente alcançável por carro ou pelos diversos meios de transporte. Abre diariamente das 10 às 21 horas (no domingo, fecha às 20 horas). Lá são encontradas várias marcas famosas, como Ralph Lauren, Lacoste, Dolce & Gabbana, Banana Republic,  Armani Exchange, dentre outras. Há ainda o "Las Vegas Outlet Center", no sul da Strip, mas atingível também pelos transportes coletivos de Vegas. É um centro menor, mas dá para encontrar, por exemplo, Adidas, Calvin Klein, Tommy Hilfiger. Nos hotéis, o destaque fica para o "Forum Shops" do Caesars Palace - um dos shopping centers mais lindos do mundo, com temática romana e o "Gran Canal Shoppes", do Venetian. No Planet Hollywood, vale destacar o "Miracle Mile Shops" e próximo ao Wynn Hotel e Cassino existe o moderno "Fashion Show Mall".

Além de Vegas: Como passeios opcionais "outside Vegas", geralmente oferecem a impressionante represa do Rio Colorado "Hoover Dam" (cenário de filmes do Superman e uma das maravilhas mundiais da engenharia em todos os tempos) e o "Grand Canyon". Como o famoso Canyon é muito longe, sugere-se ir por helicóptero, já que serão cinco horas na ida e cinco na volta de carro ou ônibus. Para um bate-volta, convenhamos, é cansativo.

LAS VEGAS, A "SIN CITY"!

Welcome to Fabulous Las Vegas Sign.
Las Vegas, a "sin city", é uma das cidades mais interessantes para o turista em território americano. Não pelos jogos de azar, um vício terrível, mas mais pelas possibilidades de diversão que a cidade ostenta.

Cada hotel é um show à parte. E cada um com um tema diferente. Tem homenagem ao Egito (Luxor), aos contos de fada (Excalibur), à "Big Apple" (New York, New York), aos imperadores romanos (Caesars Palace), à "Cidade Luz" ( Paris), dentre outros.

Nesses hotéis, além dos cassinos, há uma imensa gama de atrações, como é o caso do "Lion Habitat", no MGM, do aquário gigante do Mandalay Bay, do show das estátuas vivas do Caesars, etc.

Também na rua encontramos shows gratuitos muito interessantes, como é o caso das "fontes dançantes" do Bellagio (ao som de grandes sucessos e até mesmo do hino americano), da erupção vulcânica do The Mirage e o show dos piratas do Hotel Treasure Island.

Não se pode esquecer também dos shows do "Cirque d´Soleil" que dominam vários hotéis da cidade, a exemplo do "O" no Bellagio, do "Ka" no MGM e do "Beatles Love" no The Mirage.

Enfim, Las Vegas é a meca da diversão americana, atraindo turistas de todo o mundo. Vale a pena passar pelo menos 07 noites nessa cidade deliciosa.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

DRESDEN, A FLORENÇA DO ELBA!

A Alemanha é um país encantador. Uma das cidades mais belas que vi na Europa é, sem dúvida, Dresden, a capital da Saxônia (leste da Alemanha), conhecida também como a "Florença do Elba".

A cidade de Dresden tem muitos encantos. 


Dresden está localizada próxima à fronteira com a República Tcheca, tendo uma população estimada em 520.000 (quinhentos e vinte mil) habitantes. Fica junto ao rio Elba, que corre até a República Checa. Rio, aliás, que divide a cidade em duas: a "Cidade Velha" ("Altstadt"), onde se encontram as maiores atrações turísticas e a "Cidade Nova" ("Neustadt"), o local das agitações noturnas e do cenário gastronômico.   

Considerada uma das cidades mais bonitas do mundo no século XIX e início do século XX, Dresden teve sua reputação manchada pelo bombardeio aliado de 13 de fevereiro de 1945, no fim da Segunda Grande Guerra. Nesse dia, a linda capital da Saxônia viveu o seu dia de horror, com todo o seu centro histórico sendo completamente destruído, além do saldo de mais de 25.000 (vinte e cinco mil) mortos. Foi um dos piores bombardeios aéreos da história da humanidade e um dos maiores crimes de guerra contra uma população civil já registrado.

Hoje, a cidade está novamente revitalizada e é, seguramente, um passeio para duas ou três noites.

Destacam-se vários pontos turísticos. Separamos alguns, de vista ou visita obrigatória:

- "Dresden Freunkirche": igreja protestante (luterana). Foi destruída pelo bombardeio aliado e reconstruída - as obras terminaram apenas em 2005.

Dentro da Freuenkirche, em Dresden. 

-  "Hofkirche": igreja católica, em meio a uma população predominantemente protestante, é a catedral da diocese de Dresden-Meissen. Maior igreja da Saxônia, a Hofkirche foi construída entre os anos de 1739 e 1755, tendo como destaque um órgão Silbermann.


A bela Hofkirche, em um cenário fantástico. 

- Semperoper: Fabuloso edifício, grande exemplo de arquitetura neorenascentista da cidade. É possível assistir óperas nesse local.

Semperoper. Dresden. 

- Furstenzug: É um fantástico mural de porcelana. Conta a história da Saxônia, região da Alemanha cuja capital é Dresden, entre os anos de 1123 a 1904. Tem 102 metros de comprimento e é coberto com 24 mil azulejo. Chamado carinhosamente de "Procissão dos Reis", pois evoca os reinados históricos.

O belíssimo "Furstenzug". 


- "Zwinger": palácio construído em estilo barroco, hoje sede de importantes galerias de arte e shows ao ar livre.

Zwinger, Dresden. 

Enfim, Dresden é uma cidade bastante interessante de se admirar e conhecer em uma viagem ao Leste Europeu, notadamente pela proximidade de Praga e Berlim.

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Dicas de sites II - www.travel.state.gov

Site interessante para se consultar antes de qualquer viagem é o http://www.travel.state.gov/, do Departamento de Estado Norte-Americano, cuja chefia máxima hoje é da Sra. Hillary Clinton.
Nesse site encontramos avisos e alertas de problemas em vários países, além de conter uma análise, país por país, de questões demográficas, sociais e econômicas. Vale a pena visitar.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Dicas de sites I - www.tarifadetaxi.com

Para quem já está cansado de levar "tombos" em corridas de táxi, aí vai uma dica de site interessante: http://www.tarifadetaxi.com/.
Esse site calcula as tarifas de taxi de um ponto a outro nas seguintes cidades (basta clicar aqui na cidade escolhida e fazer o cálculo do valor da corrida):

BREVE RESUMO SOBRE O KRUGER PARK

O Kruger National Park é a maior e mais famosa reserva de vida selvagem na África do Sul, com um cenário maravilhoso pontuado por uma rica fauna. O parque tem 11 diferentes entradas, sendo nove delas na fronteira sul-africana e duas na fronteira moçambicana.

A região de "Mpumalanga", assim como "Limpopo", onde está localizado o Kruger Park, é região de malária, mas somente há incidência da doença em meses mais úmidos (considere a estação chuvosa parecida com a brasileira).

O parque é dividido em seis regiões: "Panorama", "Highlands Meander", "Lowveld Legogote", "Wild Frontier", "Limpopo" e "Kruger National Park".

A última contagem de alguns animais africanos (população) indica o seguinte ranking:

1) Impalas --> 130.000
2) Blue Wildebeest (antílopes) --> 31.000
3) Zebra (Burchell´s Zebra) --> 23.000
4) Búfalos --> 16.000
5) Elefantes --> 12.000
6) Girafas --> 7.000
7) Kudus --> 4.000
8) Warthog (javali) --> 4.000
9) Rinoceronte Branco --> 3.500
10) Waterbuck (uma espécie de veado)--> 3.000
11) Leões --> 2.000
12) Hienas --> 2.000
13) Leopardos --> 950
14) Cachorro Selvagem --> 350
15) Rinocerontes negros --> 300
16) Cheetahs (guepardos) --> 225

Vários fatos chamam a atenção nessas estatísticas.

Primeiro, a população de rinocerontes negros é bastante restrita, o que indica o risco iminente de extinção.

Os cheetahs, popularmente conhecidos como guepardos, também são raros de se ver, fato facilmente explicável pela existência de apenas 225 (duzentos e vinte e cinco) indivíduos. Ressalta-se que os guepardos são os animais mais rápidos do mundo.

Leopardos e leões também possuem pequenas populações.

Por outro lado, são "figurinhas carimbadas" em sáfaris os elefantes, búfalos, girafas e rinocerontes brancos, além das várias espécies de veados, pois todos possuem grande população.

Interessante é fazer um sáfari logo ao amanhecer, pois os animais costumam se esconder no decorrer do dia devido ao calor.

É simplesmente fascinante, valendo a visita.

terça-feira, 1 de novembro de 2011

SAFÁRIS NA ÁFRICA

Talvez a experiência mais fascinante em solo sul-africano seja realmente a realização de um safári.

Cada safári é uma emoção diferente.

Geralmente são realizados em dois horários do dia: um, bem cedo, por volta das seis da manhã; outro, ao entardecer, incluindo a noite. São os melhores horários para observação de animais, uma vez que, tal como os humanos, se escondem durante a tarde, devido à alta incidência solar.

A busca incessante pelos "big five" (leão, leopardo, rinoceronte, elefante e búfalo) torna a jornada bem interessante. Devemos ter "olhos de lince" para observar cada movimento na savana. 

Dos cinco grandes, o de mais fácil visualização é o elefante (visto em todos os safáris). Depois, rinoceronte e búfalo aparecem com mais frequência (três quartos dos safáris), sendo que leão e leopardo são os mais raros (aparecendo em dez por cento ou menos dos safáris).

Além dos cinco grandes, merecem destaque as girafas e as zebras, que tem incidência semelhante à dos elefantes ou, pelo menos, dos rinocerontes.

A girafa e sua característica tranquilidade e elegância, em pleno Kruger Park

Outros animais também aparecem com frequência, a exemplo dos springboks (uma espécie de veado africano, símbolo da seleção sul-africana de rúgby), hipopótamos, gnus, babuínos (os macaquinhos travessos e perigosos), hienas, chacais e impalas(aos montes, para a felicidade e deleite dos leões).

No que pertine aos rinocerontes, importante destacar a limitação de sua população pela caça indiscriminada e abusiva. É que em países asiáticos como China e Vietnã acredita-se, falsamente, que o chifre do rino tem valor afrodisíaco e serve também para a cura do câncer. Um absurdo que, só nesse ano de 2011, levou à morte 138 rinos somente no âmbito do Kruger Park.

Ressalta-se que o Kruger Park - o maior do mundo - tem uma área de 2 milhões de hectares, fazendo fronteira com diversos países.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

VISTOS

O visto é uma exigência de algumas países para a entrada em seu território. Por isso, trata-se de um importante documento para o viajante internacional. Vejamos a lista dos princípais países turísticos que o exigem, dividida por continentes.

Comecemos pelo Caribe. Quais países ou territórios caribenhos exigem visto de entrada?

São eles: Cuba ("tarjeta del turista"), República Dominicana, São Cristóvão e Nevis, São Vicente e Granadinas, Santa Lúcia e  Ilhas Virgens Americanas

A América do Sul, por incrível que possa parecer, tem um país, ou melhor, um território francês, que exige visto: a Guiana Francesa. Assim, o visto é imprescindível para conhecer a famosa "Ilha do Diabo", onde ficou preso Henri Charriérre, o "Papillon". A história desse preso francês virou filme de sucesso, estrelado por Steve McQueen e Dustin Hoffman.

Na África, dois países em especial exigem, a serem emitidos na entrada do país: Quênia e Tanzânia. No norte da África, o Egito  (www.opengate.com.br/embegito/)  também cobra uma taxa para entrada no país.

Na América do Norte, EUA (http://www.visto-eua.com.br/), México (http://www.inm.gob.mx/)  e Canadá (http://www.canadainternational.gc.ca/) exigem, sendo que, no caso mexicano, aceita-se o visto americano.

Curiosamente, em contraponto aos EUA, o Brasil cobra visto dos americanos.

Na Europa, nenhum país do lado ocidental exige o visto. Só a Sérvia , Montenegro e Macedônia, ex-repúblicas iugoslavas, e Armênia, Azerbaijão, Belarus, Cazaquistão, Moldávia, Ucrânia, Uzbequistão, Quirguistão e Turcomenistão, ex-repúblicas soviéticas, exigem.
Na Oceania, Austrália e Nova Zelândia exigem.

Talvez o visto mais complicado é o japonês.  É possível tirar o visto para o Japão na  Embaixada em Brasilía, localizada na SES, Av. das Nações, quadra 811, lote 39, 61/3442-4200 ou nos demais consulados espalhados pelo país:São Paulo, Recife, Curitiba, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Belém e também Manaus .  Mais informações, inclusive sobre os documentos necessários, estão no site www.br.emb-japan.go.jp/visto_curta.html.

No Camboja, os vistos imediatos são oferecidos nos aeroportos e zonas de fronteira. Paga-se lá, portanto.

Completando a Ásia, DubaiChina, Cingapura, Laos, Emirados ArábesÍndia e Indonésia também exigem visto.

Dubai, se você viaja pela Emirates, não tem problemas. Basta providenciar a documentação exigida alguns meses antes e boa viagem. Caso contrário, terá que ter um padrinho - leia-se hotel, para se conseguir o visto, ainda que por um dia de estada.

Sendo que a Índia é outro país para se ter cuidados: o visto é emitido, e a partir da data você tem apenas três meses para visitar o local. Mais informações: http://www.indiaconsulate.org.br/html/portugues/vistos.php

Importante: Esses são os principais países turísticos que exigem visto, como dissemos acima. Além desses, exigem a "tarjeta": Afeganistão, Angola, Antígua e Barbuda, Arábia Saudita, Argélia, Bangladesh, Bahrein Belize, Benin, Botsuana, Brunei, Burkina Faso, Burundi, Butão, Cabo Verde, Camarões, Catar, Chade, Congo, Coréia do Norte, Costa do Marfim, Djibuti, Dominica, El Salvador, Eritréia, Etiópia, Gabão, Gâmbia, Geórgia, Granada, Guiné, Guiné-Bissau, Guiné-Equatorial, Haiti, Iemen, Ilhas Comores, Ilhas Cook, Ilhas Fiji, Ilhas Kiribati, Ilhas Maldivas, Ilhas Salomão, Ilhas Seychelles, Ilhas Tuvalu, Irã, Iraque, Jamaica, Jordânia, Kuwait, Lesoto, Líbano, Libéria, Líbia, Malaui, Mali, Madagascar, Mauritânia, Micronésia, MoçambiqueMongóliaMyanmar, Nauru, Nepal, Nicarágua, Níger, Nigéria, Omã, Palestina, Papua Nova Guiné, Paquistão,República Centro Africana, Ruanda, Samoa Ocidental, São Tomé e Príncipe, Senegal, Serra Leoa,  Síria, Somália, Sri Lanka, Suazilândia, Sudão, Tadjiquistão, Timor Leste, Togo, Tonga, Uganda,  Vanuatu, Zâmbia e Zimbábue.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

CAPE TOWN E CABO DA BOA ESPERANÇA

Absolutamente fantástica a experiência em Cape Town.

Dois momentos em especial são inesquecíveis: o passeio para a fabulosa "Table Mountain" (a "Montanha da Mesa") e o fantástico tour pelo Cabo da Boa Esperança.

Quanto à Table Mountain, trata-se de uma formação montanhosa única, de forma chapada. Incrivelmente bela, tem uma vista deslumbrante da Cidade do Cabo, cidade essa bastante parecida com o nosso Rio de Janeiro. Não que seja mais bonita, mas é a que mais se aproxima da beleza arquitetônica em meio à paisagens naturais. Do alto é possível avistar a "Lions Head", o estádio da cidade "Greenpoint", dentre muitos outros pontos turísticos importantes. A subida pelo teleférico giratório é outro momento interessante da visita. Subida aliás muito rápida e tranquila.

Vista do Cabo da Boa Esperança.

"Table Mountain" ("Montanha da Mesa"). Cidade do Cabo

Mas, tirando os safáris, o ponto alto de qualquer visita à África do Sul é, sem dúvida, o Cabo da Boa Esperança, o antigo "Cabo das Tormentas", nome dado em virtude da violência de suas águas.

Trata-se de uma instigante viagem por algumas das paisagens mais lindas do mundo. Ali temos a famosa "Chapmans Peak Drive", uma das estradas mais lindas do mundo, que perpassa também algumas das praias mais lindas do Cabo. Nesse roteiro temos "Hout Bay", lugar perfeito para observação de baleias, golfinhos e, principalmente, focas ("Ilha das Focas" é um dos passeios de barco mais requisitados). E, para finalizar, não podíamos deixar de mencionar a praia dos pinguins, "Boulders Beach", um santuário ecológico reservado para esses animais de dóceis e simpáticos. 

Ao chegar no Cabo, impossível não se deslumbrar com a beleza do cenário. Sobe-se no ponto mais alto do cabo por um simpático teleférico de trilhos. Lá chegando, o visual é arrebatador. Descendo novamente, impossível não tirar uma foto da famosa plaquinha do ponto mais ocidental do mundo antes da Antártida.

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

ÁFRICA DO SUL - UM PAÍS SURPREENDENTE

África do Sul. A primeira vista, um país que não está na lista de prioridades de ninguém no Brasil. Mas não se enganem. É um destino turístico de primeiríssima linha, unindo natureza, aventura e belas paisagens como poucos lugares do mundo podem oferecer. Existe, sim, e poucos sabem, uma África do Sul extremamente luxuosa, destino de europeus e americanos endinheirados.



A bandeira da África do Sul.

A África do Sul, "South Africa" em inglês (uma das onze línguas oficiais do país, a outra principal é o "Africaner"), é uma república presidencialista, dividida em nove províncias. As principais  são Gauteng (onde se localiza Johanesburgo e Pretória), Mpumalanga ("onde nasce o sol", território dominado pelo famoso Kruger Park) e Western Cape (onde está a lindíssima Cidade do Cabo, a cidade da "Table Mountain").



Cidade do Cabo, com a Table Mountain ao fundo. África do Sul.

Curiosamente, o país conta com três capitais, uma para cada um dos "poderes": Pretória é a capital administrativa (Poder Executivo), Cidade do Cabo é a sede legislativa e Bloemfontein  a capital judiciária.

Pretória, África do Sul

A principal cidade, com maior concentração populacional, é Johannesburgo que, diga-se de passagem, apresenta-se com um alarmante índice de violência. Aliás, não é recomendável andar à noite em nenhum grande centro urbano africano (nem mesmo Cidade do Cabo), uma vez que o turista é facilmente reconhecível como estrangeiro e pode ser vítima de crimes brutais.

O país é reconhecido mundialmente por suas riquezas, notadamente ouro e diamante. O turismo é outra importante fonte de receitas do país, concentrado principalmente na Cidade do Cabo, nas reservas para sáfari (Kruger Park, Pilanesberg, etc), em Sun City (a Las Vegas africana) e nos grandes centros urbanos (Johanesburgo, Pretória, Durban).

Também o seu vinho tem reconhecimento internacional, sendo a região próxima à Cidade do Cabo (Western Cape) a principal produtora da apreciada bebida - Stelenbosch, uma cidade lindíssima, é a capital do vinho sul-africano.

Esportivamente, temos a imensa popularidade do futebol entre os negros e do rúgby entre os brancos, de origem inglesa e holandesa. Mas é importante destacar: o rugby parece cada vez mais se tornar o esporte mais popular, com intensa mobilização em torno do time "springbok", como é carinhosamente conhecida a seleção sul-africana da modalidade, bicampeã mundial (1995 e 2007), atualmente (2011) defendendo o título na Nova Zelândia.

Mundialmente a África do Sul é famosa pelos terríveis acontecimentos do apartheid, o regime de segregação racial de negros que produziu uma das maiores atrocidades contra os direitos humanos . O símbolo da luta contra esse regime, Nelson Mandela, ainda está vivo e é um baluarte da democracia e dos direitos humanos.

Não se pode esconder o fato de que ainda existem graves problemas sociais na África do Sul, ainda que bem menores se comparados ao restante do continente africano, notadamente a região subsaariana. Não se vê no território sul-africano as mazelas da fome da mesma maneira que em países como Somália, Etiópia e Eritréia. Existe sim, mas em um nível de intensidade inferior. Mas, como já disse alhures, ainda há uma violência muito significativa nos maiores centros urbanos do país, fruto de problemas ligados ao desemprego.

Mas não só de problemas sociais e más lembranças vive a África. Após a Copa do Mundo de 2010, pode-se perceber que o legado de infra-estrutura que o país alcançou com o torneio é digno de nota. Os dois aeroportos principais do país, OR.Tambo (Johanesburgo) e de Cape Town, contam com uma estrutura bastante parecida com aeroportos dos principais centros mundiais desenvolvidos. A malha rodoviária também impressionou muito, com estratas amplas e bem conservadas.

E, a título de arremate, em assunto que será esmiuçado em posts a seguir, temos que mencionar o importante Kruger Park, o mais completo parque sul-africano, com toda a sua rica fauna, notadamente os "big five" - leão, leopardo, búfalo, elefante e rinoceronte.

Enfim, há muito ainda a se falar sobre esse imenso e maravilhoso país.

terça-feira, 16 de agosto de 2011

PRAGA, A CIDADE DAS 100 TORRES

Vamos falar um pouco de Praga, essa jóia do Oriente, a "Cidade das 100 Torres".

Praga é a capital e cidade mais importante da República Checa, situada na região chamada "Boêmia Central". É cortada pelo rio Vlatava.

Tem uma população estimada em um milhão e trezentos mil habitantes.

Em relação ao futebol, temos dois times principais da cidade: o "Slavia Praga" (Slavia Praha), vermelho e branco cujo símbolo é uma estrela; e o "Sparta Praga" (Sparta Praha), seu maior rival, agremiação de cor grená.

Trata-se sem dúvida de uma dos centros históricos mais lindos e imponentes do mundo, notadamente a chamada cidade velha - "Stare Mesto". A arquitetura de várias nuances impressiona. Ali, temos o gótico, o "art noveau", dentre outras formas de expressão artística. Merece destaque ainda a igreja "Nossa Senhora de Tyn", que, sem dúvida, é um dos marcos de praga em sua expressão gótica (vide foto abaixo).

Praça da Cida Velha. Praga, Repúbica Checa (Stare Mesto)
Dentre os principais pontos turísticos, destacam-se o "Castelo de Praga", a "Ponte Carlos", o "Relógio Astronômico", o "Bairro Judeu" e a "Igreja do Menino Jesus de Praga".

O "Castelo de Praga", na colina Hradcany, é a atual sede da Presidência do país, além de abrigar importantes construções, como a Catedral Gótica de São Vito.


Praga vista a partir da perspectiva do Castelo de Praga.

A "Ponte Carlos" é, talvez, a ponte mais linda da Europa. São várias esculturas durante todo o seu trajeto, além de contar com uma maravilhosa vista da cidade. As esculturas, na verdade, são santos venerados pela população local. Construída no século 14, após a destruição da antiga Ponte Judite por uma enchente, a Ponte Carlos foi, por muito tempo, a única ligação entre a cidade velha ("stare mesto") e o Castelo de Praga.


Ponte Carlos. Elementos religiosos. Praga, República Checa.

O "Relógio Astronômico" (Orloj) é uma jóia do período renascentista. São 600 anos de história. Nele, de hora em hora, há um pequeno show que embala multidões de turistas que se acotovelam em busca de uma melhor visão.

O famoso relógio medieval astronômico - Orloj. Praga, R. Checa

O bairro Judeu é um imenso complexo, que engloba sinagogas, cemitérios e outros pontos de interesse. Ingressos dão direito a todo o complexo, ou podem ser comprados separadamente, dependendo do interesse.

Embora seja uma das cidades mais lindas do mundo, Praga abriga a estátua mais esquisita e inusitada que já vi na vida, em homenagem a um filho ilustre da cidade, o escritor Franz Kafka, autor de "A Metamorfose". Talvez a idéia fosse representar uma metamorfose kafkiana, mas o resultado deixa dúvidas.

Estátua em homenagem à Franz Kafka. Praga, República Checa
Por fim, o menino Jesus de Praga merece uma menção, uma vez que é um símbolo da cidade mundialmente famoso. A igreja fica na Cidade Nova, pouco a frente da Ponte Carlos, do lado oposto ao da Cidade Velha (oposto tendo-se em vista o Rio Vlatva). Curiosidade: ao lado do "Menino Jesus de Praga", encontra-se uma imagem de Nossa Senhora da Aparecida, doada recentemente àquela igreja pelo Brasil.

 Enfim, Praga é, sem dúvida, uma cidade especial, que merece a visita e a fama de "Paris do Leste".

terça-feira, 19 de julho de 2011

MEIA-NOITE EM PARIS ("Midnight in Paris", 2011)

Olá!
File:Midnight in Paris Poster.jpgPara quem gosta de viagens e, principalmente, da "Cidade-Luz", a dica é assistir "Meia-Noite em Paris" ("Midnight in Paris"), filme de Woody Allen.

Não é, definitivamente, o melhor filme do mestre de Manhattan. Nesse quesito, filmes como "A Rosa Púrpura do Cairo", "Hannah e Suas Irmãs" e "Match Point" são melhores. Mas ainda assim é um bom filme, que merece ser visto.

Começa com uma sucessão de imagens de Paris, com praticamente todos os seus pontos turísticos, numa sequência que mais parece uma piada inicial de Woody.

A partir daí, o filme ganha uma conotação mais sentimental, com uma ótima atuação de Owen Wilson. O mesmo não se consegue dizer de Rachel Mc Addams, que não empresta à sua personagem densidade dramática ou mesmo leveza em situações cômicas.

Vale destacar que o filme traz ainda uma fraca atuação da mulher do presidente francês, a senhora Carla Bruni, mas, em contraposição, apresenta-nos uma linda, charmosa e cativante Marion Cottilard.

Mas o que desperta a atenção no filme é mesmo o sentimentalismo fantástico, a partir do vai-e-vem futuro-passado do personagem de Owen Wilson. É chance única de reviver épocas que não voltam mais, como a  Paris dos anos 20 (e seus baluartes, como Hemingway, Fitzgerald, Dalí, Picasso, Gertrude Stein) e a da "Belle Époque" (com seus não menos famosos artistas, de Desgas a Gauguin).

Cultura geral para acompanhar algumas citações do filme é essencial, como, por exemplo, quando o personagem de Owen Wilson dá uma valiosa dica de roteiro a Luís Bunuel, que depois viria a ser utilizado pelo ilustre diretor no consagrado filme "O Anjo Exterminador".

Assim, abre-se espaço para uma discussão: qual a melhor época? Resposta: o melhor é viver intensamente cada momento de sua vida, com pessoas que te valorizem demais. Pessoas que gostem de andar na chuva, como você...

Enfim, um filme lírico, com brilhante fotografia e menções deliciosas a fabulosos artistas que, certamente, cativará muitas pessoas em todo o mundo. E, para quem gosta de Paris, talvez a cidade mais emblemática do planeta, um prato cheio. Vida longa ao mestre Woody Allen!

Cotação: * * * *

sexta-feira, 24 de junho de 2011

BUDAPESTE - A PÉROLA DAS ÁGUAS

Budapeste (Budapest, em húngaro), a capital da Hungria, é talvez a cidade que mais impressiona pela beleza no leste europeu. Formada da união das cidades de Buda e Obuda, na margem direita do Danúbio e de Peste, na margem esquerda do mesmo rio, é a sexta maior cidade da União Européia.

Curiosamente, poucas pessoas sabem da existência da cidade de "Obuda", afinal o nome da capital é decorrente da junção "Buda" e "Peste".

Impressionante a beleza desta cidade vista de cima, do famoso "Castelo de Buda" (parte alta da cidade).

Visão noturna do Castelo de Buda.
Logo se percebe a extraordinária arquitetura do Parlamento magiar do lado "Peste", sem dúvida um dos monumentos mais lindos do mundo.

Parlamento Húngaro. Lado peste de Budapeste.

Aliás, falando de monumentos, uma dezena deles forma o que há de melhor na capital magiar.

Do lado "Peste", destacam-se: o já mencionado "Parlamento"; a "Praça dos Heróis"; a "Ópera", a "Termas Géllet" e a "Basílica de Santo Estevão", sem dúvida a igreja com um dos interiores mais bonitos que já vi na vida.

Por seu turno, do lado "Buda", destacamos: o "Castelo de Buda"; o "Bastião dos Pescadores", cuja visão do Danúbio e de "Peste" é esplendorosa e a "Igreja de São Matias", esta com um lindo exterior.

Turisticamente, a rua "Vati Utca" concentra o grosso da parte comercial da cidade, embora o comércio de luxo se concentra em outras avenidas.

Outrossim, as pontes que ligam Buda a Peste nos mostram visuais extremamente belos.

Historicamente, temos fatos marcantes dessa cidade. Muitos acontecimentos relevantes ocorreram ali, inclusive batalhas ocorridas durante a "Segunda Grande Guerra", dada a sua posição central na Europa. Segunda Guerra que causou feridas extremas, a ponto de muitos edifícios históricos terem ruído, sendo substituídos por prédios estilo "caixotão", típicos do comunismo. Onde há um "caixotão" em meio a prédios históricos, é sinal de que ali caiu uma bomba.

Importante destacar que o comunismo reprimiu uma das mais importantes revoluções do século XX: a "Revolução de 1956". Nesse movimento, buscavam os húngaros, sob a liderança de Emri Nagy, livrarem-se das amarras do regime soviético. Infelizmente, o movimento restou abafado, com seus líderes morrendo enforcados. Muitas mortes e a manutenção do comunismo, que veio a sucumbir apenas no início dos anos 90. Também essa derrocada da "revolução" foi responsável pelo fim do famoso time húngaro de Puskas, Kocsis e Hideguti, vice-campeão da Copa de 1954 e um dos maiores times da história do futebol. Puskas foi jogar seu belo futebol na Espanha, no lendário Real Madrid várias vezes campeão europeu nos anos 60.
Pode-se dizer também que Budapeste é a "capital das águas", famosa por suas piscinas termais e pela existência de abundante água subterrânea, em toda a cidade. Aliás, muitos turistas apreciam os passeios às cidades subterrâneas existentes.

Enfim, é essa a Budapeste que emerge num novo caminho, um caminho de esperança, a caminho de se tornar uma das cidades mais visitadas e admiradas do mundo.

No próximo post, algumas curiosidades sobre a Hungria, esse país que é considerado o mais "azarado" do mundo!

sábado, 11 de junho de 2011

VIENA, A BELA CAPITAL AUSTRÍACA

Vamos falar um pouco de Viena, a belíssima capital da Áustria, às margens do famoso Rio Danúbio.

Viena (Wien, em alemão, língua oficial do país) é a capital e principal cidade austríaca. Conta com um milhão e seiscentos mil habitantes, tendo sido escolhida, em 2007, como a melhor cidade do mundo para se viver.

Concordamos com esse título. Com um sistema de transportes perfeito, além de um centro histórico maravilhoso e ainda, de quebra, com a beleza do Danúbio de contraponto, Viena é quase perfeita. Mais perfeita como cidade seria difícil. Lá tudo funciona bem e de maneira eficiente.

Além de tudo, os austríacos são extremamente austeros e discretos.

O Centro Histórico de Viena é um dos mais impressionantes da Europa. Não sem razão foi considerado pela UNESCO "Patrimônio Mundial da Humanidade". Nesse centro, destaca-se, sem dúvida, a belíssima catedral gótica de Santo Estevão (Stephansdom). Simplesmente deslumbrante!


Cúpula da Sthefansdom. Viena, Áustria


A capital austríaca também tem como pontos altos os jardins do Belvedere e o prédio da Prefeitura.

Palácio Belvedere. Viena, Áustria

Além desses pontos históricos, merece também destaque o "Palácio Imperial dos Habsburgos". Imperdível.

Mas quem merece a fama que tem é justamente o "Palácio de Schonbrunn", construído no século XVII por Leopoldo I para ser uma casa de veraneio e aperfeiçoado por Maria Tereza, todos da dinastia dos Habsburgo. Maria Tereza que viria a ser mãe de Maria Antonieta, aquela que casou-se com Luís XVI e teve sua cabeça guilhotinada.

Palácio de Schonbrunn. Viena, Áustria.
Curiosamente, há notícias de que nesse palácio viveu a arquiduquesa Leopoldina, que foi casada com Dom Pedro I.

Em Schonbrunn há também muita história de Sissi, ou Elisabeth da Áustria e da Hungria, que foi casada com o imperador Francisco José. Extremamente vaidosa, era considerada uma das mulheres mais belas do mundo. Não se deixou fotografar depois dos trinta e um anos para manter sua áurea mítica. Foi imortalizada no cinema em três filmes estrelados por Romy Scheneider.

Enfim, Viena, além dos concertos, tem muita história para contar. Vale muito a pena a visita.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

OS ANOS PERDIDOS DO COMUNISMO

O primeiro post da viagem realizada ao leste europeu é um post de reflexão. Assim, falaremos agora dos reflexos dos anos perdidos do comunismo, usando como pano de fundo as experiências mal-sucedidas da Hungria e da ex-Alemanha Oriental (DDR, Deustche Democratik Republique).

Já dizia Winston Churcill que a democracia e o capitalismo são os piores regimes do mundo, excetuando-se, é claro, todos os outros. Tinha razão o grande líder britânico da segunda guerra.

Em que pese todas as desigualdades geradas pelo capitalismo, o socialismo é bem pior.

Primeiro, por que nunca houve, nem nunca haverá, convivência  entre socialismo e o mínimo de democracia. Todos os ambientes socialistas criados no mundo - a exemplo do leste europeu, Cuba, Coréia do Norte, dentre outros - são antidemocráticos. A própria essência filosófica do socialismo na doutrina marxista ultrapassada - fase de evolução para o comunista - , indica luta de classes e imposição.

Segundo, por que o socialismo inibe a criatividade e o empreendedorismo individual. Até na arquitetura socialista isso é sentido - os prédios são invariavelmente "caixotões". Sem um ambiente competitivo, não se vislumbra criatividade.

Terceiro, o socialismo retira a esperança. O que temos de melhor no capitalismo é justamente a possibilidade de ascensão, de melhoria de vida, de vitórias, justamente o que inexiste no socialismo.

Enfim, essa experiência dramática de falta de democracia, de ausência de criatividade e de desesperança é o que ficou da era socialista nesses países do leste.

Na Hungria, por exemplo, a tentativa de democratização do líder Imre Nagy foi reprimida violentamente pelos soviéticos na famosa Revolução de 1956. O bombardeio na capital magiar é sentido até hoje, quando visualizamos, ao lado de lindos prédios de arquitetura antiga, prédios mais "modernos" estilo caixotões, típicos de regimes autoritários socialistas/comunistas.

Onde há um "prédio moderno" na capital húngara, sem dúvida houve um bombardeio. Triste. Foram muitos anos perdidos até que em 1989 o país saiu do atraso socialista.

Por sua vez, na Alemanha Oriental, o "Muro da Vergonha", como hoje chamamos o famoso "Muro de Berlim" dividiu uma cidade, criou separações injustas (inclusive de familiares) e muitas mortes. Tudo em vão. Tudo em nome de um regime político e econômico falido no nascedouro. As tentativas de fuga para contornar a divisão do muro renderam histórias impressionantes - até balões, comuns em passeios turísticos, foram utilizados. Ainda percebe-se um pouco o desnível econômico dos dois lados, mas a Alemanha, potência que é, está virando essa página, reunificada.

Hoje, os países que pertenciam a chamada "Cortina de Ferro" (Hungria está entre eles) tentam, de todas as maneiras, ingressar com força total no chamado "mundo capitalista", notadamente com o uso do "euro", já que as moedas de alguns desses locais anda muito desvalorizada (vide "florint" húngaro e a "coroa" tcheca).

Para isso, ainda há um longo caminho a percorrer, embora a renda per capita da maioria deles já seja maior que a do Brasil (na Hungria, por exemplo, é de 11 mil doláres anuais, enquanto a do Brasil gira em torno de seis mil dólares).

Nos próximos posts,  a história e a beleza desses países formidáveis.

sábado, 4 de junho de 2011

FALTA DE SEGURANÇA EM GUARULHOS

Hoje vou falar de um tema nada legal: a insegurança no principal aeroporto do país.
Impressionante a falta de segurança no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo. Semana passada estive por lá e me senti em pleno faroeste, acossado constantemente por pessoas altamente suspeitas, incluindo visão de furtos frustados e notícias de furtos ocorridos. Uma simples distração no saguão do aeroporto (antes do check in e da entrada para embarque) e pronto: sua mala sumirá num passe de mágica. Todo cuidado é pouco!
Imagino como será durante a Copa do Mundo de 2014 que, erroneamente, o Brasil insistiu em sediar. Além da natural falta de infra-estrutura do aeroporto, a segurança está em "frangalhos". Acordem, autoridades!

quinta-feira, 24 de março de 2011

COLONIA DEL SACRAMENTO

Para quem vai a Buenos Aires, uma dica interessante é dedicar um dia para visitar a cidade de Colonia del Sacramento, no Uruguai, declarada "patrimônio histórico mundial" pela UNESCO em 1995.

Côlonia tem um ar bucólico e carros antigos. Cidade histórica.
Trata-se de uma cidade colonial dominada primeiramente por portugueses (construída pelos lusos, que na época se chamava "Novo Colônia del Santíssimo Sacramento"), depois por espanhóis, fundada há mais de trezentos anos a beira do Rio do Prata, um dos maiores rios do mundo em extensão (é o oitavo).

Curiosamente, foi fundada em 1680 por Manuel Lobo, governador da Capitania do Rio de Janeiro. Foi somente em 1777 que Colônia foi cedida à Espanha, muito a contragosto, diga-se, já que a cidade possui uma localização estratégica do ponto de vista comercial.


Incrivelmente preservada, tem uma arquitetura parecida com Lisboa antiga e um ar bucólico bastante interessante.






Além do centro histórico, que tem muitos locais de interesse (Portón de Campo, Calle de Los Suspiros, Paseo de San Gabriel, Plaza Mayor 25 de Mayo, Plaza de Armas, Iglesia Matriz, Convento de San Francisco, Puerto Viejo e Teatro Bastión del Carmen), há ainda 8 museus históricos. Vale aqui destacar que há bilhete que cobre a entrada para eles. São eles: Museo Portugues (fechado quarta), Museo Municipal (fechado terça), Archivo Regional (fechado sábado e domingo), Casa Nacarello (fechado terça), Museo Indígena (fechado quinta), Museo del Azulejo (fechado quinta), Museo Espanhol (fechado quinta) e Museo Paleontológico (fechado segunda, terça e quarta). Percebe-se que a sexta-feira é o único dia em que se pode visitar todos os museus.

Colônia é, assim, uma excelente opção para um passeio tipo "bate e volta" a partir de Buenos Aires, já que as embarcações que cruzam o Rio do Prata podem fazer o percurso até em uma hora (notadamente o Buquebus, o maior deles). Existe opção de cruzeiro por três horas, que seria pouco vantajoso para um passeio "bate e volta".

Para atravessar o Rio da Prata, três empresas disputam a preferência do consumidor: a Buquebus (a maior delas), a Seacat e a Colonia Express.

Usei o Buquebus e achei interessantíssimo. Apesar de ser o mais caro das três opções, é uma embarcação mais confortável, com ótima localização do porto (continuidade da avenida córdoba) e com um free-shop bacana.

O interior do Buquebus.
 Já o Colonia Express fica um pouco mais afastado - perto do dique 1 de Puerto Madero, e há relatos de que problemas ocorrem com mais frequência.

Seacat, por sua vez, é uma opção boa também, mas o barco é menor, menos confortável e com um free-shop também mais reduzido. Fica na mesma posição do buquebus e é mais barato.

Serviço

Colônia del Sacramento

180 km a oeste de Montevidéu; 50 km de balsa a partir de Buenos Aires.  
Ótimo passeio bate-volta a partir de Buenos Aires.

Perigo em viagens

Estava na agitada Buenos Aires nessa semana quando me deparei com a notícia do acidente no passeio de Foz do Iguaçu, com uma embarcação argentina que chega bem pertinho da famosa "Garganta do Diabo".
Eu não sou adepto dessas aventuras de risco, mas confesso que já entrei em uma dessas aventuras perigosas: o passeio de balão na Capadócia, Turquia. Outro risco que corri na mesma Turquia foi visitar uma cidade subterrânea na mesma região - sabemos que a Turquia tem risco iminente de terremoto em todo o seu território. Imagine um desastre desse justamente na hora que estamos lá embaixo!
Confesso que esses dois passeios me causaram preocupação, mas nada se compara a essa aventura de Iguaçu - as quedas são realmente assustadoras. Nesse caso, se estivesse por lá, preferiria apreciar de longe as famosas cataratas.